Houve um alívio na situação de seca na região Sul, consequência das chuvas que ocorreram em junho e julho, que foram superiores à média esperada.

Nas bacias do Iguaçu e do Uruguai, houve um aumento das vazões naturais, que são respectivamente de 65,1% e 204,5% da média de longo termo na metade de julho. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), informou que houve uma recuperação significativa na capacidade de armazenamento das bacias que compõem o Subsistema Sul, que está com 59,8% de sua capacidade útil – exatamente 30 pontos percentuais acima do registrado em 1º de janeiro. Este é o melhor nível de armazenamento de 2020 para as bacias dos rios Iguaçu, Uruguai, Jacuí e Capivari.

Segundo o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), na comparação entre 23 de junho e 7 de julho, houve uma queda significativa no número de municípios do Sul com áreas agroprodutivas afetadas pela seca, passando de 273 para 45. Santa Catarina continua sendo o estado com mais municípios com áreas agroprodutivas afetadas pelo fenômeno: 39 (87% do total da região). Paraná e Rio Grande do Sul tinham respectivamente um e cinco municípios nessa situação.

 

Usina Foz Chapecó

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Entretanto, a expectativa de pouca precipitação nas próximas semanas e os efeitos acumulados da seca nos últimos meses mantêm a necessidade de atenção à situação.  No dia 06 de agosto acontecerá a  próxima reunião da Sala de Crise da Região Sul, comissão que conta com com aproximadamente 60 participantes representando órgãos gestores de recursos hídricos e serviços meteorológicos do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina; órgãos federais; prefeituras; usuários de água para saneamento, navegação e indústrias; órgãos ambientais e do setor elétrico; além de instituições que realizam o monitoramento e previsão meteorológicos.

Atualmente, estão em operação as salas de crise das bacias do Tocantins, do Paranapanema, da Hidrovia Tietê-Paraná e da Região Sul, devido a déficit hídrico. Também estão em atividade a Sala de Acompanhamento do Sistema Hídrico do Rio São Francisco e a Sala de Acompanhamento da Bacia do Paranaíba, todas coordenadas pela Agência Nacional de Águas (ANA).

 

Fonte: Agência Nacional de Águas (ANA).

 

By | 2020-07-17T13:07:53+00:00 julho 17th, 2020|Notícias|