O Pólo Norte magnético foi identificado pela primeira vez na década de 1830, pelo explorador James Clark Ross, quando este se encontrava em Nunavut, território autônomo no nordeste do Canadá. Nesta época, esse polo não se movia muito longe, nem muito rápido.

Ele permanece no mesmo lugar em que sempre esteve, entretanto a sua contraparte magnética  (indicada pelo N nas bússolas) está a se movendo rapidamente do Canadá para a Sibéria, e os cientistas demoraram a  compreender totalmente o que isso significa.

Embora o ritmo em que o pólo está se movendo seja notável, o movimento em si não é. Ele nunca está verdadeiramente parado, devido às flutuações no fluxo de ferro fundido dentro do núcleo do nosso planeta, eles a forma como o campo magnético da Terra se comporta.

 

Indicação do Pólo Norte magnético da Terra (NOAA NCEICIRES; ScienceAlert).

 

Desde sua primeira descoberta formal , o pólo norte magnético percorreu cerca de 2.250 km, este movimento tem sido geralmente bastante lento, permitindo que os cientistas acompanhem a sua posição com muita facilidade. Entretanto, nas últimas décadas, o pólo norte magnético acelerou para uma velocidade média de 55 km por ano.

O movimento repentino do pólo tem despertado interesse mundial, principalmente por forçar mudanças nos sistemas de navegação e em smartphones, que usam sua localização como ponto focal.

Com vários esforços, pesquisadores da Universidade de Leeds, na Inglaterra, acreditam ter uma explicação para o movimento do polo e por que ele começou a se mover mais rapidamente. Segundo a equipe, existem dois grandes lobos de fluxo magnético negativo nos limites do núcleo e do manto. Isso sugere que as mudanças no fluxo de metal derretido no núcleo resultam em mudanças no fluxo magnético nos lobos. A posição do poste é determinada pela força dos dois lobos – quando um ganha força, o outro perde força, resultando no pólo se movendo na direção mais forte. O resultado é um cabo de guerra constante entre os dois lobos. O movimento atual é, portanto, devido a um dos lobos ganhar vantagem.

O estudo foi publicado na revista Nature Geoscience.

 

Rastreamento do movimento do pólo norte magnético em direção à Sibéria (Livermore et al., Nature Geoscience , 2020).

 

 

 

By | 2020-07-17T12:18:39+00:00 maio 20th, 2020|Notícias|